10 de fev de 2011

De alguém mais que especial!

Ouvi que só as palavras contam
Pois o resto é conversa
Se eu converso pelo que vejo a partir do que penso
Eu sinto o que falo.
Mas eu também falo por meio do silêncio
Logo “o que” fala é o meu corpo
Mas se a conversa é um ato de interação
E meu corpo é o elemento que fala,
Logo só as danças contam,
Porque “ai sim” o resto é conversa
E que as danças continuem sendo divinas
Porque pelo divino é possível sentir o que se fala
... na interação de uma dança.

Dele,  André Luis

2 comentários:

  1. Andréa concordo e admiro quem consegue enxergar esta poesia no corpo e na dança, que é tão sensível e bela.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. A dança não fala. mas o silêncio dos passos possui uma métrica e uma sensibilidade que nenhuma outra palavra possui.Talvez seja por isto que a nossa vida pode ser comparada com um grande balé em 4 atos, no primeiro conhecemos os personagens e cumprimos no tempo a infância, depois a juventude e seus atos que mostram a beleza do amor( que voa com as asas do desejo), depois a idade adulta onde começa a tecer o fim e também chegamos as certezas, mas descobrimos que em nosso balé de espelhos tudo é possível.Enfim o ato 4 em que cumprimos na carne o destino da morte, mas a dança fica no ar, na leveza, assim como a alma que resiste a morte. Sim, a dança tem um pedaço da alma humana em seus passos e por isto é tão bela.
    beijos

    ResponderExcluir

Você também pode comentar.